Ockham’s razor

“Quando Sagan conversou com a sua velha amiga Linda Obst numa entrevista de Fevereiro de 1996, observou que parece existir uma elegância misteriosa na natureza do universo e exprimiu alguma simpatia para com aqueles que acreditam num Deus tradicional:

.

A natureza vai directamente ao fundo da questão de como é que as leis da natureza estão idealizadas. Ninguém tem resposta para isso. Ninguém! É uma hipótese perfeitamente legítima, a meu ver, dizer que um criador extremamente elegante fez estas leis. Mas acho que quem se mete por esse caminho deve ter a coragem de colocar a pergunta seguinte, que é: De onde veio esse Criador? E de onde é que vem a sua elegância? E se se disser que ele sempre esteve lá, então porque não dizer que as leis da natureza sempre lá estiveram queimando assim uma etapa?”

.

In “Conversas com Carl Sagan”, Quasi edições

Anúncios

Linguística

“Meow” means “woof” in cat.

– George Carlin

Johnie Colheradas: A lenda do Oeste.

“Johnie Colheradas era o mais rápido do Este e do Oeste. Não havia ninguém capaz de comer tantos Golden Grahams como ele em tão pouco tempo. Muitos sucumbiram perante a rapidez de Johnie Colheradas. De manhã, ninguém se atrevia a desafiá-lo porque se o Johnie se irritava, era o fim da picada. Até que um dia veio um forasteiro com uma boca tão grande que parecia uma caverna e comeu o Johnie Colheradas. A vida é assim…”

– Autor desconhecido, retirado do verso de uma caixa de Golden Grahams

Far Rockaway

“Recordo uma conversa que tivemos cerca de um ano antes da sua morte, enquanto passeávamos pelas colinas sobranceiras a Pasadena. Estávamos a explorar um caminho desconhecido e Richard, na altura convalescente de uma grande cirurgia a um cancro, caminhava mais devagar que o habitual. Estava a contar uma história longa e divertida sobre como tinha lido imenso sobre a sua doença, de tal modo que surpreendia os médicos ao prever o diagnostico que iriam fazer e quais as suas hipóteses de sobrevivência. Fiquei a saber pela primeira vez em que medida o seu cancro tinha progredido, pelo que as graças não pareciam ter graça nenhuma. Ele deve ter reparado na minha disposição de espírito, porque, de súbito, interrompeu a história e perguntou: «Que se passa?»
Hesitei. «Estou triste por ires morrer.»
«É verdade», suspirou ele, «isso por vezes também me chateia. Mas não tanto como pensas.» E, depois de ter dado mais alguns passos, continuou: «Quando se chega à minha idade, começa-se por ver que, de qualquer modo, transmitimos aos outros a maior parte do que sabemos melhor.»
Caminhámos em silêncio durante alguns minutos. Chegámos a um local onde um outro caminho interceptava o nosso e Richard parou para inspeccionar as redondezas. De súbito, um sorriso largo iluminou-lhe o rosto. «Eia!», exclamou ele, todos os vestígios de tristeza esquecidos, «aposto que consigo encontrar um caminho melhor de regresso.»
E assim fizemos.”

– in O melhor de Feynmann

Publicado em Citações, Geral. Etiquetas: , , , . 2 Comments »

Infinito

“(Se uma paliçada esconde outra paliçada, que por sua

vez esconde outra e assim por diante até ao

infinito, percebe-se que não há nada para esconder,

mas disso nunca teremos a certeza).”

– Manuel Afonso Costa (1949), Caligrafia Imperial e Dias Duvidosos

Dogfolk!

“Dogs are my favorite kind of people.”

– Jack O’Neill, Stargate SG-1, “Learning Curve”

Publicado em Citações, Geral. Etiquetas: , , . 3 Comments »